Universidade Federal de Santa Catarina – Centro de Curitibanos

Arquivo para abril, 2013

Escoteiros visitam a trilha da UFSC

No dia 27 de abril aproximadamente 70 participantes  do Grupo Escoteiro Curitibanos conheceram a trilha da UFSC, dentre eles crianças e jovens entre 7 e 17 anos. Enquanto uma turma conhecia a trilha, outra turma teve uma apresentação do dia mundial do cão de resgate com o corpo de bombeiros de Santa Catarina. Algumas apresentações da cachorra Find foram demonstradas, como a busca de pessoas escondidas na mata e a destreza e obediência nos obstáculos.

Para visualizar mais fotos acesse a pagina do grupo escoteiro: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.635645009783386.1073741829.568085316539356&type=3

486720_635672643113956_1724608156_n 485624_635671909780696_1083391672_n 377342_635650053116215_1007268464_n 27142_635651429782744_95586770_n

Anúncios

Para 81% da População Urbana Agronegócio é Muito Importante

Segundo pesquisa encomendada pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), que foi realizada no início do ano de 2012 em 12 capitais do país, mostra que 81,3% da população dos grandes centros urbanos consideram o agronegócio uma atividade muito importante para a economia nacional. No sul do país, região onde o agronegócio é intenso, o índice de pessoas que classifica o agronegócio como muito importante é maior, chegando a 90,1%. Esta mesma pesquisa, apontou que o agricultor está entre as cinco profissões consideradas vitais para a vida dos moradores dos grandes centros.

A entrevista, intitulada “A percepção da População dos Grandes Centros Urbanos sobre o Agronegócio Brasileiro” entrevistou 600 pessoas de todas as classes sociais e níveis de escolaridade. Os resultados do trabalho mostram ainda que 40% da população não tem a visão do complexo como um todo, que não há rejeição sobre o setor, que não há visão dos ganhos tecnológicos que o agronegócio proporciona à sociedade, e que 48,7% dos jovens, com idade entre 16 e 24 anos, não conhecem a atividade do agronegócio. 0,,69803308,00

Leia mais em: Revista Globo Rural


Curiosidade- Moradora faz registro curioso em São Cristóvão do Sul

A moradora de São Cristóvão do Sul Maira Cruz fez um clique diferente durante a última semana. Uma batata-doce, plantada por seu avô, cresceu tanto que chegou a pesar 7,700 quilos. O registro fora do comum chamou a atenção de moradores e virou atração na casa da moradora.

$alttext

Fonte: Jornal a semana http://www.adjorisc.com.br/jornais/asemana/tempo-em-curitibanos/moradora-faz-registro-curioso-em-s-o-cristov-o-do-sul-1.1264635#.UXKQ7rUpjZY


Concurso de Poesias do Centenário do Contestado

Público alvo: Estudantes, professores e escritores.

Acesse http://contestadodesvendandopoesias.wordpress.com/ para ter acesso aos formulários, regulamento e inscrições.

Inscrições até dia 05/05/2013


Imagem

Cine PET

cinepet


Imagem

Convite

divulgaçao


Ponto de Colheita do Milho

A colheita é um procedimento agrícola em que o produtor deve planejar todas as fases, de forma a integrar a colheita ao sistema de produção, obtendo assim um produto (grão ou semente) que apresente bom padrão de qualidade. Nesse sentido as várias etapas, desde a implantação da cultura, até o transporte, secagem e armazenamento dos grãos têm de estar diretamente relacionadas.

colheita_milho_safrinha1O milho está pronto para ser colhido a partir da maturação fisiológica do grão, o que acontece no momento em que 50% das sementes na espiga apresentam uma pequena mancha preta no ponto de inserção das mesmas com o sabugo. O milho pode começar a ser colhido quando o teor de umidade for superior a 13%. Todavia, se houver a necessidade de antecipação da colheita, esta pode ser iniciada quando o teor de umidade estiver na faixa entre 18-20%. Para tal, o produtor deve levar em consideração a necessidade e disponibilidade de secagem, o risco de deterioração, o gasto de energia na secagem e o preço do milho na época da colheita.

Uma lavoura, para que se obtenham os melhores resultados em termos de produtividade, deve ser planejada visando a funcionalidade

e operacionalidade das máquinas e equipamentos envolvidos na colheita. Desta forma, as áreas devem ser divididas de forma a facilitar a movimentação da colhedora e do escoamento dos grãos colhidos. Alguns fatores devem ser levados em conta, quando se espera a obtenção de uma boa colheita, tais como a regulagem do espaçamento entre cilindro e côncavo, a velocidade de rotação do cilindro, o teor de umidade do grão e a qualidade do grão e as perdas.

milho-safraA pesquisa tem mostrado que a qualidade do grão está ligada a umidade deste no momento da colheita, associado a velocidade de colheita. Para se obter menores índices de danos nos grãos colhidos, estes tem que apresentar umidade entre 12 e 13%, além de serem colhidos em rotações menores. Além disto, a velocidade de trabalho a ser utilizada para a colhedora deve ser determinada em função dos níveis de perdas (pré-colheita, plataforma, grãos soltos e grãos nos sabugos) aceitáveis durante a realização da operação de colheita. Quando a colheita é realizada com teores mais elevados de umidade, aumenta-se a possibilidade de perda por grãos no sabugo, enquanto que, para teores mais baixos, as perdas mais elevadas são registradas em termos de grãos soltos.

A secagem natural do milho no campo traz benefícios no sentido de economizar energia na secagem artificial, mas, à medida que o milho seca, diminui a concorrência com as plantas invasoras, aumentando a incidências destas. Este fato pode trazer inúmeros problemas para a operação de colheita mecânica, como, por exemplo, o embuchamento das colhedoras com plantas invasoras, impedindo que as máquinas tenham bom desempenho.

José Luis da Silva Nunes

Eng. Agrº, Dr. em Fitotecnia

Fonte: http://www.agrolink.com.br


Programa confirmou inexistência de hormônio em frango, diz Ubabef

frango-com-hormonio-imagem-verdade-ou-mentiraOs resultados do Programa Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes para produtos de origem animal (PNCRC/Animal), divulgados no Diário Oficial da União pelo Ministério da Agricultura, demonstraram a inexistência da utilização de hormônios na criação de frangos do Brasil.

Segundo o presidente executivo da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Francisco Turra, em nota, “o levantamento promovido pelo Ministério é o principal atestado sobre o elevado padrão produtivo da avicultura brasileira”. Conforme o estudo, que realizou 3,7 mil análises em aves voltadas para o consumo do mercado interno e para a exportação, o resultado foi negativo para betagonistas e substâncias de ação anabolizante, de uso proibido no país, em todas as amostras.

Segundo o diretor técnico da Ubabef, Ariel Antônio Mendes, também em comunicado, a eficiência da produção de frangos é baseada em três fatores: genética de ponta, ração balanceada e excelentes condições de criação.

“A seleção natural de características geneticamente favoráveis nas aves, a ração brasileira à base de milho e soja e a alta tecnologia empregada para a as condições ambientais dos galpões de criação é que, de fato, fazem a produção de carne de frango um processo rápido”, explicou.

Porém, a crença dos hormônios no frango ainda permanece entre os consumidores. Pesquisa encomendada pela Ubabef a um instituto de referência, que tratou sobre hábitos de consumo do brasileiro, mostrou que 72% da população ainda acredita que hormônios sejam utilizados na criação de frangos. A entidade vai promover uma campanha para tentar reverter esse quadro, com base nas características do produto nacional.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2013/04/programa-confirmou-inexistencia-de-hormonio-em-frango-diz-ubabef.html


Palestra Integração Lavoura Pecuária Florestas (ILPFs)

DSCF0201

Esteve presente na manhã desta quinta feira, 11/04/2013, o pesquisador da embrapa florestas Vanderley Porfirio,  debatendo com a comunidade acadêmica sobre a importância da integração lavoura pecuária florestas, formando um sistema estável, com alta capacidade de resiliência aos climáticos, que apresenta inúmeras vantagens tanto para a criação dos animais quanto para o cultivo de plantas de lavoura.

Também nos mostrou como funciona esse sistema em outros países, explanando sobre suas formas de agricultura, os quais realizam outras práticas de manejo, como revolvimento do solo no inverno para seu aquecimento, plantio das linhas de árvores na direção do sol para maior insolação nas plantas de lavoura, dificuldades as quais não enfrentamos no Brasil.

Para a implantação deste sistema diversos aspectos precisam ser observados, a distância das árvores entre linhas vai variar de acordo com cada caso, assim como as espécies a serem implantadas, mas em todos eles deve ser adotadas estratégias para que se tenha a conservação do solo e da água, como o plantio em curva de nível.

Tudo isso está disponível no link: http://www.cnpf.embrapa.br/pesquisa/safs/


Primeira Aula Prática de Cultura de Tecidos

Aconteceu na tarde de ontem, dia 10/04/2013, a primeira aula prática de Cultura de Tecidos, da disciplina de biotecnologia, depois de cerca de 3 anos de implantação do Campus da UFSC em Curitibanos.

Devido à várias dificuldades de falta de reagentes, equipamentos, as primeiras turmas a passar pela disciplina tiveram que se deslocar até Florianópolis, saindo daqui de madrugada, iniciando as aulas práticas no Laboratório de Fisiologia, Desenvolvimento e Genética Vegetal (LFDGV) as 7:30 da manhã e terminando as 16:30 da tarde, tendo 6 aulas práticas concentradas em um único dia.

Portanto a realização desta aula foi um marco, uma conquista para o campus, neste dia foi preparado os meios de cultura, para introdução in vitro de plantas, que será realizada nas próximas aulas, o laboratório neste momento está sendo organizado, os equipamentos sendo adquiridos através de projetos aprovados na FAPESC e outras fontes de fomento.

Aos poucos a pesquisa vai se desenvolvendo no Campus, na região, e a tendência é que a produção de conhecimentos vai agregando valor a comunidade local, incentivando o desenvolvimento, processo que com o tempo trará bons frutos a todos!T3